top of page

A JUSTIÇA QUE SE KISS E A QUE SE PODE TER EM MEMORIAL

Retomando o caso Kiss, foco nos caminhos que podem ajudar na elaboração dos lutos dos sobreviventes e familiares dessa tragédia que também me dói como ser humano, como pai. Trago referências da psicologia social e da psicanálise, cotejando com o direito penal e processual penal (vejam no link a nova contribuição do Dr. Rodrigo Shimitt, advogado criminalista).

A psicologia social trabalha com três paradigmas: O primeiro é que culpabiliza o indivíduo; O segundo, o Marxista, responsabiliza a sociedade. E o terceiro, o ético-estético, traz um olhar holista, vendo todos os vetores para pensar processos de subjetivação, inclusive os que observamos no trágico evento da Boate Kiss, que vitimizou todos os envolvidos.

Acredito que o primeiro paradigma se aplica bem à denúncia do MP em relação apenas aos quatro réus “fabricados” como homicidas dolosos, que arriscariam conscientemente cometer um bárbaro crime, se pondo em risco “kamikaze”, de perder patrimônio e serem presos.

Se optarmos pelo viés do segundo paradigma, estaremos apontando apenas as instituições públicas envolvidas. Então, me parece que o olhar mais amplo ficaria no terceiro paradigma que envolveria uma ética empática com a dor de todos no literal processo, tendo uma estética na escuta e palavra justa.

No entanto, o MP subjetivou, com chancela da grande mídia, todos que sofrem até hoje pelo horror das perdas, num luto que não é só pela morte dos entes queridos, mas pelas marcas psicológica na alma, nos corpos e que produzem sintomas, os mais variados e psicofísicos.

Ao processar os pais das vitimas por calúnia e denunciar apenas 4 dos 28 indiciados, o MP não deixou outra opção de “justiça”! Um juiz que se dirige à defesa apontando como relevante apenas as responsabilidades presenciais na tragédia, pode ser considerado imparcial? Fora um discurso cartesiano que dicotomiza razão, que supõe ser seu guia, de emoção!

Ora, a emoção é impossível de ser desconsiderada entre todos os atores de um evento tão marcante! Vendo o que foi mostrado na NETFLIX e na globoplay, qualquer pessoa empática vai transbordar em emoção e pranto. Isso também é relevante para que haja um olhar que não passe pela rotulação dos réus como deliberados assassinos.

Quando a sobrevivente, que teve o irmão vitimizado, Jéssica Rosado, depôs, dizendo, sem ódio no coração, que os réus eram seres humanos (inclusive o pai dela abraçou o Kiko, um dos proprietários da boate), o juiz impediu a defesa de um diálogo com o mesmo réu.

Esse momento se afiguraria à justiça restaurativa que permitiria uma extensão de empatia à dor dos julgados pelo tribunal do Júri, não para uma impunidade, mas para quem sabe, uma virada à culpa, não ao dolo eventual.

Trago contribuição apontando caminhos que ajudem na superação de um luto individual e coletivo tão melancolizante. Freud nos ajuda e entender que um luto é normal, podendo levar até uns dois anos. No entanto, a melancolia é uma incapacidade de recolhimento libidinal do objeto perdido e de investimento em outro.

Em Lacan, entendemos que a melancolia pode chegar a níveis psicopatológicos gravíssimos, pois há uma colagem ao objeto que se perdeu (objeto a), com altos níveis de culpa e baixa-autoestima, mais que uma simples depressão, com risco de suicídio.

A superação da melancolia passa por se conformar com a perda do objeto. Essa possibilidade, que não é fácil para quem perde um filho, ficou na aposta da penalização dos 4 réus, num prolongamento pela falta de celeridade da justiça.

A psicanalista Maria Rita Kehl nos traz uma diferença entre ressentimento e indignação: O primeiro nos estagna (faz aliança com a pulsão de morte); o segundo nos traz uma implicação. E essa, entendo, com uma justiça que seja plena, sem vingança. E, quem sabe, movida pela compaixão também com o sofrimento dos réus, buscando com eles um verdadeiro Memorial que marque o evento como lição de precaução, respeito com o valor maior, a vida, sobremaneira de quem tem o poder de vigiar, fiscalizar, dando segurança a todos os espaços públicos que nesse Brasil a fora viviam e ainda vivem mal cuidados.

Alguns caminhos vêm sendo importantes no impedimento de maior melancolização dos envolvidos sobreviventes, como a exposição de fotos na praça, a perspectiva de um memorial e as manifestação de protesto por justiça. O processar a NETFLIX, que não é consensual entre os pais, pode ser repensado. Existem lutos, como esse, que a humanidade empática toma como seu. Por que as produções literárias, cinematográficas e memoriais, atinentes ao holocausto nazista seguem? A palavra e a escuta, dispositivos psicanalíticos de cura, passam pela expressão cultural e artística.

Sem judicializar, acho que tanto a NETFLIX quanto a globo play (que ficou de fora da revolta, não entendo!) já estão dando sua contribuição e talvez possam ajudar, além do simbólico, com investimento material no memorial a ser construído.

Acredito, ainda, ser fundamental um recolhimento de libido a ser investida na luta para que a “Lei Kiss” não seja flexível, a ponto de facilitar futuras tragédias, dando um consolo e sentido às lutas e lutos de quem sofreu tão dolorosas perdas.

Que o tempo para um novo julgamento seja, como diria Freud, de recordar, repetir (o desejo de justiça verdadeira) e elaborar simbolicamente tanto sofrimento, com uma restauração memorial digna e humanizada de vida a todos os atores de uma série que tenha um final mais leve.

Pragmaticamente, como a lógica do direito penal é eminentemente punitiva, não restaurativa, meu apelo se afigura a uma utopia, como algo difícil, mas não impossível. Uma opção melhor que uma melancolizante e vingativa distopia.



Gaio Fontella (Psicólogo, psicanalista, graduado e pós-graduado pela UFRGS, debatedor no “Café com Análise”, youtube).








10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

コメント


bottom of page