top of page

A SIMBOLOGIA DO CARNAVAL NO OLHAR DA PSICANÁLISE

Dentre os conceitos fundamentais, pulsão é o que eminentemente caracteriza o carnaval. Em Freud, para pensarmos a dinâmica do inconsciente se faz necessária a articulação com o conceito de “pulsão”, iniciado no texto “Os três ensaios sobre uma teoria Sexual”.

Na pesquisa Freudiana, ficou marcada a diferença entre o que o ser humano faz (e ao objeto) para obter prazer sexual e o instinto que nos animais está apenas ligado à procriação. Ele vai situar o campo das pulsões como algo limítrofe entre o psiquismo e o corpo

Na visão Lacaniana, encontramos uma clara diferenciação da pulsão de um mero instinto, que daria a essa “suposição de uma moral na natureza”. Isso corrobora com a construção conceitual freudiana de inconsciente, que é calcada no biológico, mas com enlace no psiquismo.

Nesse viés, vamos encontrar o conceito de pulsão ampliado, calcado nos objetos olhar (pulsão escópica) e voz; sendo fundamentais para pensarmos a constituição do sujeito psíquico.

A voz, dentre os objetos pulsionais em Freud (como o oral (o seio), anal (as fezes) e o fálico (o falo)), em Lacan tem uma aproximação com o significante fala, com destaque à pulsão invocante.

A pulsão de saber, que tem início quando as crianças se perguntam, segundo Freud, “de onde vêm os bebês”, é o início de um filosofar a respeito da vida que vai se desdobrar em sabedorias. Isto não falta em nosso carnaval, longe de ser pseudo-intelectualmente visto como alienante, pois ele traz história, cultura e denúncias de questões sociais.

No carnaval todas as pulsões estão em jogo: a de saber que passa pelo tema- enredo; a invocante, pelo samba e a escópica pelas alegorias, fantasias e adereços.

No início dos anos 90, fui produtor e repórter do “TVE no carnaval” que tinha como um dos apresentadores, Dr. Antônio Carlos Côrtes. Na agradável maratona de trabalho, conheci os bastidores de nossas escolas e vi o quanto temos de artistas talentosos, compositores, ritmistas, criadores dos temas enredos e tudo que faz a festa. Não temos a riqueza do Rio de Janeiro na avenida, mas muita beleza e criatividade.

Nos debates recentes com Dr. Côrtes, advogado, carnavalesco e psicanalista, foi possível rever o quanto nosso carnaval já teve uma potência que atraia o Mercosul, no início dos anos 60, quando era na Avenida Borges de Medeiros:

“Na antiga passarela, havia espaço para as Tribos, que antecederam as escolas, dando uma característica de romantismo, diferenciada do carnaval carioca”.

Segundo Côrtes, a saída foi por exclusão do negro, que é o grande produtor do evento. E mais: O Porto Seco, longe de se tornar um complexo cultural, serviu com esse propósito de desculpa para esta separabilidade. Agora, renovam-se as promessas que o local seja mais investindo durante o ano, coisa que não aconteceu.

No ano passado, a Avenida Borges, teve uma retomada de ocupação com o som dos bundos ecoando na antiga passarela. O desejo se renovou em função dos 250 anos de Porto Alegre, com especial edição do desfile das escolas de samba da capital. E como diz o Côrtes: “Seja onde for, a passarela de nosso carnaval sempre será denominada radialista Carlos Alberto Barcellos (Roxo).

A simbologia do carnaval pelo olhar da psicanálise tem me reunido com o amigo e colega psicanalista Antônio Carlos Côrtes: Palestramos, animadamente, com poesia e música, no pré-carnaval da Praça Brigadeiro Sampaio.

E, neste sábado de carnaval, nós estaremos aprofundando tudo isso, no “Café com Análise” no Youtube. E a leitura de apoio é da pesquisa psicanalítica inédita: “A Alma do Carnaval no Espelho: Pesquisa Psicanalítica”, do Dr. Antônio Carlos Côrtes que me deu a honra de participar da obra com o Artigo sobre sua escola: “Bambas da Orgia no Divã da Avenida”.



Essa bela e grande orgia pulsional deve ser resguardada com segurança da pulsão de morte, não somente como festa da “carne”, mas da alma, da liberação do gozo, da sexualidade livre, saudável e da cultura.

O potente Carnaval da grande Porto Alegre demanda investimento, políticas públicas intersetoriais que passam pela Cultura, Turismo e Educação!

Bom carnaval a todos!

Em Tempo: Nega Lu, Ícone do movimento LGBTTQIOA+ de nossa Capital, que brilhava na Banda da Saldanha Marinho, cuja memória está resgatada no belo trabalho do jornalista Paulo César Teixeira, “Nega Lu - uma dama de barba malfeita”, será homenageada, em 2023, como enredo da Escola de Samba Realeza.



Gaio Fontella (Psicólogo, Psicanalista, debatedor do “Café com Análise” no youtube)









316 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Commentaires


bottom of page