top of page

Drenagem linfática - verdades e mitos



A Drenagem Linfática é uma técnica manual que foi desenvolvida pelo dinamarquês Dr. Emil Vodder e sua esposa Estrid Vodder em 1930, na Riviera Francesa. Inicialmente, era utilizada para tratar doenças como resfriados, dores de garganta e sinusites. Em suas observações e tratamentos, viram que naqueles pacientes em que os linfonodos inchados, como os da região do pescoço (cervical), eram estimulados, havia uma melhora do quadro clínico muito mais significativa em comparação aos pacientes em que não se aplicava a técnica.

Em 1936, publicaram e apresentaram a técnica ao mundo em um congresso de medicina, ganhando muitos adeptos, entre eles o Dr. Albert Leduc, o mais proeminente propagador da técnica e que até hoje continua os seus estudos.

O Método desenvolvido tem como principal objetivo auxiliar o Sistema Linfático a trabalhar de maneira mais eficaz, porque por alguma disfunção ou patologia, este sistema não consegue desempenhar sozinho o seu papel. A Drenagem Linfática manual busca, através dos movimentos realizados com as mãos do profissional, imitar a fisiologia da linfa, como ela flui dentro deste sistema, desta complexa rede de vasos tão importante para o equilíbrio da saúde humana.

Infelizmente, tem sido muitas vezes difundida de maneira errônea, já que não se trata de técnica de emagrecimento, e sim para eliminação de líquidos que encontram-se em excesso nos espaços intersticiais (entre as células) o famoso edema ou inchaço.

Vamos enumerar aqui alguns mitos e verdades sobre esta técnica, com todo o conhecimento embasado pela ciência:

Drenagem linfática dói ou deixa hematomas na pele do paciente?

Mito: A pressão das mãos do profissional deve ser exercida de maneira suave e lenta, sendo que os vasos linfáticos podem entrar em colapso se houver uma pressão muito forte (são sensíveis e estão em sua maioria 80% na derme, segunda camada da pele). Importante ressaltar que, de maneira alguma, essas manobras devem causar vermelhidão ou hematomas, pois o objetivo é trabalhar apenas o sistema linfático e não o sistema sanguíneo.

Drenagem emagrece?

Mito: A drenagem elimina líquidos e não gordura, o sistema linfático apenas transporta lipídios e ácidos graxos, mas não os elimina. Então, o resultado apresentado com a descida do ponteiro da balança é a diminuição de líquidos e não de gordura.

Gestante não pode receber Drenagem Linfática?

Mito: O Sistema Linfático tem também funções na imunidade e na identificação e eliminação de vírus, bactérias, corpos estranhos, etc. É considerado o sistema da varredura de dejetos estranhos ao corpo, então é necessário que se dê um tempo (3 meses), para que ocorra a identificação do feto como sendo realmente um feto e não um invasor no corpo da gestante. Passado esse período inicial, a Drenagem Linfática traz muitos benefícios para a gestante, já que a retenção de líquidos é algo bastante presente na gestação, em especial nos membros inferiores (pernas e pés), e isso ocorre devido ao peso do ventre que comprime os linfonodos presentes na região inguinal.

Segundo Leduc (2002), a Drenagem Linfática Manual drena os líquidos excedentes que banham as células, mantendo assim, o equilíbrio hídrico dos espaços intersticiais. Também é responsável pela evacuação dos dejetos provenientes do metabolismo celular.

Massagem e drenagem é tudo a mesma coisa?

Mito: vejamos as diferenças de cada uma das técnicas


MASSAGEM CORPORAL

Melhora a circulação sanguínea, ativando a eliminação de resíduos (restos metabólicos) presentes nos músculos e no tecido conjuntivo da parte onde está sendo tratada. Muitas vezes é necessário utilizar uma pressão maior nas mãos para ativar a musculatura profunda.


DRENAGEM LINFÁTICA

Ativa o Sistema Linfático, melhorando a eliminação de líquidos intersticiais e linfa, acumulados por alguma patologia existente, não aumenta a filtragem sanguínea, como ocorre na massagem corporal.

É um método específico para ativar a circulação linfática, especialmente subcutânea, sobre os diferentes quadrantes linfáticos, encaminhando para os gânglios regionais que se comunicam com gânglios profundos.


Juliana Pazatto Kroehne é esteticista e cosmetóloga, responsável técnica pelos cursos de Massoterapia do Instituto Lis.

26 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page