top of page

O CAVALO DO COMISSÁRIO E O GALO MISSIONEIRO



Cavalo do comissário é uma expressão gauchesca que significa o favoritismo de alguém numa disputa, exclusivamente por causa do poder.

O cavalo do comissário – que virou lenda – tinha que ganhar as carreiras; caso contrário, o Comissário criava um caso. Daí, criou-se o ditado popular.

Aqui, no Rio Grande do Sul, o ex-governador Antônio Britto foi chamado de cavalo do comissário, pois para a grande mídia, era o grande favorito em 1994. Ganhou apertado de Olívio Dutra, que ficou conhecido como Galo Missioneiro.

Galo Missioneiro entrou para o jargão como um destes ditados típicos dos gaúchos, para os quais, galo é quase sinônimo de valente na briga. Já Missioneiro vem por conta de Olívio Dutra ser natural de Bossoroca, uma localidade das Missões Jesuíticas. Dali, surgiram cantadores e pagadores que pelo típico físico de nosso ex-prefeito e ex-governador, com seu bigode, com uso de muitas vezes de bombacha, mala de garupa, fez dele um símbolo.

Em 2014, Olívio Dutra disputou o pleito ao Senado com Lasier Martins, outro cavalo do comissário, anos e anos comandando programas de uma TV local. Perdeu por pouco.

Agora, Lasier amarela, como se diz pelos pagos gaúchos, não vai à disputa, no momento em que Olívio Dutra é anunciado candidato pela frente PT-PCdoB-PV.

O general, vice-presidente, Mourão disparou na suposta cancha reta, mas na pesquisa divulgada ontem pelo Ipec, está em terceiro lugar (16%). Tudo indica que empacou. E está longe de ser um redomão. Ana Amélia, que já foi senadora, está em segundo (23%) e Olívio Dutra na dianteira, com ¼ dos votos, 25%.

Parece que Olívio vai se firmando. Todos falam que esta é a vez do Galo Missioneiro, que aos 81 anos de idade, Olívio, além de trazer a maturidade política, da tradição do PT raiz, está se demonstrando um autêntico terrunho, declamando versos que lembram nossas tradições, o homem simples, disposto a boas peleias quando a missão é o Rio Grande do Sul.

O Zona Norte Jornal é um jornal comprometido.

Vai acompanhar pari passu o processo eleitoral no Rio Grande do Sul.

Adeli Sell é professor, escritor e bacharel em Direito

83 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page