top of page

As esquerdas e o castilhismo

Quem com ferro fere, com ferro será ferido.

Às vezes com uma adaga de prata, cortando a jugular, como foram nossas degolas.

Só de saber da violência de 1893/5 e da guerra de 1923, as esquerdas gaúchas que prezam a Paz deveriam questionar o ideário castilhista.

Foi o roubo eleitoral de Borges de Medeiros que deflagrou a revolta dos assisistas em 23, como foi a ditadura de Júlio de Castilhos que fomentou a Guerra Civil de 1893/5.

Mesmo assim, as esquerdas tem o castilhismo como o exemplo de um Estado inovador e civilizatório contra as elites rurais.

Será verdade tudo isso?

Há um pouco de verdade, mas a maior parte é mito mesmo. Sem querer defender os interesses do atraso nos pampas, nem bancar maragato de lenço vermelho, é necessário rever a História contada pelas elites.

O castilhismo construiu um Estado e lideres autoritários.

Getúlio Vargas, mesmo sendo o "pai dos pobres", tirou do seu caminho e perseguiu Flores da Cunha, um antigo castilhista como ele. Como tirou de seu lado Lindolfo Collor e Maurício Cardoso que hoje estariam na ala esquerda de qualquer governo progressista.

Brizola das brizoletas e da Legalidade é um exemplo de progressismo, porém dirigiu sua facção política de forma caudilhesca, motivo também do seu descenso.

Em 1980, surge o Partido dos Trabalhadores que se opõe às posturas caudilhescas e constrói um partido pela base, com instâncias democráticas de decisão.

E, assim, contra a visão dominante aqui e também contra o coronelismo e os acordos das elites formamos um partido de esquerda sui generis.

Isso tudo deixou os outros partidos de esquerda numa ação quase residual.

No entanto, de quando em quando, surgem em nosso meio visões e atitudes tipicamente castilhistas nas quais líderes se colocam num estado acima da militância e suas vontades. Esquecem que a esquerda mais ortodoxa de tradição stalinista ou maoista mudou radicalmente, quase sumiu, que o PT não vai regredir, ceder posição para visões de cima para baixo. São 43 anos de duro aprendizado, continua tendo rebeldia na base, continuamos sendo o partido democrático, cobrando atenção de nossas direções.

Se o PT chegou até aqui arrastando milhões, devemos nos precaver com os tempos que trazem para o nosso meio estas visões de cima para baixo, autoritárias, pois estão na contramão de nossa História.

Em continuando a ser um partido democrático e de militância estaremos mais dia menos dia soterrando os resquícios castilhistas de nosso meio

Adeli Sell é militante do PT Porto Alegre – adeli13601@gmail.com

11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Commenti


bottom of page